terça-feira, 27 de junho de 2017

MÁRCIA MATOS: De asa partida... POEMAS DO NADA A VER (desmotivo para o Volume I)




As palavras em rima de mim cansaram.
Nada que combine em rica sílaba me convém
Nem em tela luminosa ou papel pardo
Nenhum pobre acorde de palavras se atém

Em folha branca a asa não mais brinca
Só a carga de narrar versos em branco
Enquanto salta o ritmo que desalinha
O cantar de mais um mote em pranto

Sofro há horas o madrugar sem maestria
Do que agora pede inspiração
Esquecendo a musa que em teimosia
Azucrinava e rogava devoção

Vão-se os dedos com reumática crise
Minando à míngua esta dor fugidia
Tragando-me em humilhante artrite
O que antes transbordava poesia

Posto enfim o que não é mais chama

Márcia Matos

Entrego à aurora a pena quebrada
E sob o orvalho da flor humana

Descanso a mão sem a alma lavada!


__________________
Márcia Matos, poeta e cronista, publica ocasionalmente no Evoé! Natural de Palmácia, Ceará,  é professora na Secretaria de Educação do Estado e Município do Ceará. Graduada em Letras (UFC) e Pós-graduada em Planejamento Educacional e Administração Escolar.

6 comentários:

  1. Beleza Márcia. Grato por me enviar.

    ResponderExcluir
  2. Márcia, Para variar, sempre nos saindo com pérolas - seja na poesia ou crônica - a brandir sua pena em prol do alimento de desesperados literatos. Mais uma vez, obrigado minha amiga. Eu e Vinícius agradecemos em nome de de todos(as), posto que a palavra se inflama quando nos clama. Túlio Monteiro.

    ResponderExcluir
  3. Ai ai as dores do mundo!Grata , raro kelsen pelo espaço e paciência para divulgação de momentos bissextos d inspiração. Vejam s dar p gasto, amigos? rs bjs Márcia Matos

    ResponderExcluir
  4. Cláudio Portella7 de julho de 2017 21:53

    Dizer o quê? Se o poema diz o que cala! E sua concepção é conveniente a sua linguagem. Abração!

    ResponderExcluir