segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O tempo passa...



Parece incrível; mas joguei capoeira 15 anos ininterruptos, nadava mar adentro 5 quilômetros (uma ou duas vezes por semana), corria 20 quilômetros (uma vez por semana) e treinava handebol de 3 a 4h por dia.

Joguei na seleção cearense quase 20 anos (juvenil, adulta, universitária e master). Depois que parei, comecei a engordar, engordar, engordar, engordar, engordar, engordar, engOrdar... (-O-)... (--O--)... (----O----)... nem de longe pareço aquele atleta de uma geração vice-campeã brasileira, várias vezes artilheiro do estadual e também considerado o melhor do ano nas categorias juvenil e adulto.

Fazer o quê? Como diz meu amigo Taffa, lá de Sobral, "cara, vamos fazer uma música sobre isso: O tempo de cada pessoa, cada uma tem o seu tempo não é, faz a letra que a música...".

21 comentários:

  1. Quero ver vestir esse shortinho agora, bonitão.
    Tá parecendo o "besouro"...

    ResponderExcluir
  2. Besouro, Francélio? "Zunzunzum, zuzunzum, capoeira mata um", já fui bom nisso.

    Quanto ao short: não passa nem na batata da perna.

    ResponderExcluir
  3. Hummmmmmmmmmmmmmm
    Eu lembro desse tempo!!! rsrsrs
    Bjao!!!!!!!!
    Saskia

    ResponderExcluir
  4. Rapaz...é o dilema de todo ex-atleta...nem sei porque me identifico..rsrs
    shortinho sexy esse...vamos fazer música então..
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Perdemos um atleta mas ganhamos um GRANDE ESCRITOR,uma pessoa de uma sensibilidade incrível! beijos.

    ResponderExcluir
  6. Kelsen, esse negócio de engordar, sua tendência atlética atual, é porque você só está exercitando a boca. Eu, por exemplo, fui corredor e saltador em distância no tempo do Colégio Militar. Hoje, faço Karate todos os dias e permaneço com o mesmo corpo em forma (de pão de forma)!
    Abraço
    Gildemar Pontes

    ResponderExcluir
  7. Penso que hoje todo esse vigor se encontra em sua massa cinzenta. Mas acredito que com um esforcinho dá pra ficar "estilo CONAN" de novo. rsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  8. Caro irmão Pancho,

    Bons tempos aqueles em que fomos adversários; mas no esporte. Melhor ainda quando jogamos juntos lado a lado no mesmo time (foi pouco; mas significativo, muita raça e determinação aliada a excelente técnica e disciplina tática), não podia dar outra senão sermos campeões.

    ResponderExcluir
  9. Daniel Diaz, meu irmãozinho querido, papai já-já, obrigado pela sensível e agradável companhia durante o jantar de ontem, você, a Sara e o barrigão dela deram uma bela contribuição ao meu peso atual, pois a massa que a Lídis (ela está mandando um beijo) fez ontem huuuuum... me faria cometer o pecado da gula sem a companhia de vocês.

    ResponderExcluir
  10. Uma ressalva apenas, Dandan, nem Conan nem Bradok ou Rambo, Besouro como diz Francélio Figueredo.

    ResponderExcluir
  11. Bruno William, mentira o quê, monstro!

    ResponderExcluir
  12. Meu amigo Alexandre Nadai, do Rio de Janeiro que continua lindo! Vamos fazer música sim, crônicas e poemas hedonistas.

    ResponderExcluir
  13. Meu caro amigo Gildemar,

    Pois parei com os exercícios não gosto das academias, suas (das academias) propostas estéticas são fúteis, pífias, prefiro um bar defronte a elas de onde pratico o voeyerismo viniciano de ver e querer "a mulher que passa". Tal vez por isso esteja assim nessa forma não de pão-de-forma mas de pão-bola.

    ResponderExcluir
  14. Adriana Mesquita,
    Sensível é quem dá sensibilidade às poesias, quem de fato faz a poesia é o leitor, é quem ver sensibilidade nas coisas e pessoas. Você, por exemplo.
    Beijo azul, viu?

    ResponderExcluir
  15. Ê, neguim! Lembro desses tempos. Eu também nadava cinco dias por semana de 7 a 8 quilômetros, batia peladas na Parangaba velha de guerra todas as tardes, jogava no domingo no campo da Velha Ponte Preta pela seleção infanto-juvenil do bairro e até ganhei umas medalhas nesses esportes.
    Hoje, ainda mantenho um corpo até de qualidade, pois como sabemos sempre fui meio magrelo. Não fosse pela barriga de seis meses, até que eu ainda daria um "caldo".ké,ké,ké.
    Lembro dos tempos dessa foto e até tenho algumas da gente em frente à casa do vô. Se quiseres, mando cópias.
    Saudades de tempos idos e nunca mais vindos.
    Abraço grande.
    Túlio Monteiro

    ResponderExcluir
  16. E pe4nsar que eu pesava cinquenta e três quilos à epóca e era chamado de doido da Aguanambi, porque corria mais de dez quilometros por pura diversão. Hoje, bem, hoje, estou em forma de BAIACU... kkk 80 kg para os msmos 1,63m....Saudade palavra triste .. quando se perte um grande amor,,, mas, primo ao que parece nunca fostes narcisista, portanto continue assim que um dia ... um dia.. quem sabe. explode. kkkkkk

    ResponderExcluir
  17. Não lembro de você nesse shortinho não... Até porque ainda não era nascido, né?
    Mas, fique triste não, senão veja...

    Minha mulher reclama que eu fico o domingo todinho esparramado no sofá...
    Isso quer dizer que não estou por aí "pulando a cerca". Tem gente que tem amante.

    Não saio o final de semana com minha mulher para jantar fora... Isso quer dizer que tenho uma casa confortável. Tem gente que não tem nem casa.

    Tenho uma barriga redondinha... Isso quer dizer que tenho mais do que o suficiente prá comer. tem gente que não tem o que comer.

    Parabéns primo, nós é que somes felizes.

    ResponderExcluir
  18. Waldir, meu primo querido,

    Seus aforismos de marido dão ideia do seu bom humor.

    Precisamos conversar mais vezes;

    ResponderExcluir